Doença que gera uma progressão da Miopia é a principal causa do transplante de córnea no Brasil

Doença que gera uma progressão da Miopia é a principal causa do transplante de córnea no Brasil

O tratamento baseia-se na melhora da visão através da correção da curvatura acentuada da córnea.

 

rftst

Desconforto visual, dor de cabeça e fotofobia são alguns dos sintomas do chamado ceratocone, que se diagnosticado precocemente, pode ser tratado com novas tecnologias que evitam o transplante de córnea

 

O ceratocone é uma doença caracterizada por um afinamento e um aumento na curvatura da córnea, que sofre alterações, perdendo o formato arredondado e adquirindo um formato de cone. Essa alteração que costuma ocorrer na adolescência progride até por volta dos 30 anos e leva além da progressão da Miopia e do Astigmatismo, a uma acentuada baixa da acuidade visual, fazendo com que o paciente tenha que trocar a lentes dos óculos com frequência. Os sintomas característicos do ceratocone são o desconforto visual, dor de cabeça e fotofobia.

 

Dr. Renato Neves, presidente da Sociedade Brasileira de Ceratocone, alerta as pessoas para a necessidade de um diagnóstico precoce do ceratocone, para que assim seja possível obter resultados satisfatórios.

 

“O ceratocone tem 4 graus evolutivos e dependendo da severidade da doença o paciente pode perder a visão, resultando na necessidade de um transplante de córnea. Mas com os tratamentos atuais é possível diagnosticar o problema com uma topografia corneana e interromper o progresso do ceratocone com um diagnóstico precoce, ajudando no tratamento”, afirma.

 

O tratamento baseia-se na melhora da visão através da correção da curvatura acentuada da córnea. Em casos iniciais, correção da ametropia (grau) é feita com óculos e, naqueles casos onde os óculos já não permitem boa visão, faz-se uso de lentes de contato.  Há mais de 5 anos, quando o paciente não conseguia boa visão ou adaptação a lentes de contato, indicava-se o transplante de córnea. Com o desenvolvimento de tecnologias na área, o transplante de córnea em função do ceratocone se tornou o último recurso. Hoje é possível optar pelo implante de um anel nas córneas. Ainda hoje, o ceratocone é a principal causa de transplantes de córnea no Brasil.

 

“Através do implante de anel intracorneano, também chamado Anel de Ferrara, é possível corrigir a curvatura com um fortalecimento da córnea, restaurando o seu formato arredondado. A técnica consiste na implantação de dois segmentos de arco de acrílico especial na córnea, melhorando o conforto e a visão do paciente”, explica o especialista.

 

Outra técnica para tratar a doença é o Crosslink que se vale da aplicação de um colírio para estimular novas ligações entre as moléculas de colágeno, aumentando a resistência estrutural da córnea.

 

“É feito um tratamento cirúrgico no crosslink, que tem como objetivo endurecer a córnea para melhorar a estabilidade. Aplicamos um colírio a base de vitamina B6 (Riboflavina),  ativada através de um feixe especial de luz ultravioleta para a maior união das fibras de colágeno, estabilizando assim a evolução do ceratocone”, conclui o Dr. Renato Neves, presidente da Sociedade Brasileira de Ceratocone.

 

 

Fonte: Age Imagem

Os comentários estão desativados.