A leitura consegue adiar o Alzheimer

A leitura consegue adiar o Alzheimer

Durante a leitura, a iluminação deve vir de trás da pessoa e incidir sobre o que está sendo lido

 

2014-762987341-2014-762794363-2014102429493.jpg_20141024.jpg_20141025

Jornal, livro, revista… Nem bula de remédio escapa de quem é aficionado por leitura. Especialistas ouvidos pelo EXTRA dão dicas para que o hábito seja totalmente saudável e não prejudique a visão. Uma delas é o cuidado ao se dedicar a um texto que exige longa permanência frente a dispositivos eletrônicos, como tablets e computadores.

 

Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, ler de maneira inadequada não causa doenças, como muitos pensam. Entretanto, costumes ruins provocam a fadiga ocular, que pode ocasionar dores de cabeça, sensação de areia nos olhos e ressecamento – problema gerado pela diminuição da frequência das piscadas.

 

– Ao ler, a pessoa tem que se sentir o mais confortável possível. Caso contrário, terá queda de rendimento na leitura, mas não desenvolverá uma doença na visão – esclarece o oftalmologista.

 

Para quem usa óculos, mas consegue fazer leituras sem o acessório, Leôncio Queiroz Neto recomenda não deixá-los de lado neste momento, para não forçar demais a visão sem perceber.

 

De acordo com o neurologista Paulo Henrique Bertolucci, diretor do Núcleo de Envelhecimento Cerebral da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o hábito da leitura aumenta as conexões entre os neurônios:

 

– Além disso, ele amplia a visão de mundo. Isso facilita estabelecer relações entre coisas, o que é muito importante do ponto de vista cognitivo.

 

“A leitura consegue adiar o Alzheimer”

 

Bertolucci explica que o efeito biológico do hábito da leitura é aumentar a densidade de sinapses (comunicação entre os neurônios), o que cria uma “poupança cerebral”.

 

– O principal fator de risco para o mal de Alzheimer é a inatividade intelectual. Trata-se de uma doença que começa pela perda de sinapses e que, no nível crítico, tem as falhas de memória como sintoma. Se a pessoa tem mais sinapses e desenvolve Alzheimer, ela vai ter que perder mais dessas conexões para começar a ter esquecimentos. Em outras palavras, a leitura consegue adiar o problema – afirma.

Fonte: LDC Comunicação

 

 

Os comentários estão desativados.